terça-feira, 4 de junho de 2013

VISITA DE ESTUDO À REGIÃO DO OESTE: 7 Junho


- 5:45h      Saída da escola:
- 10h         Visita ao Forte de Peniche
- 11:30h     Visita a Óbidos
- 13h         Foz do Arelho (Almoço)
- 15 h        São Martinho do Porto
- 16h         Nazaré (lanche)

FORTALEZA DE PENICHE - Mandada edificar por D. João III em 1557 e concluída em 1645 por D. João IV, que a considerou a principal chave do Reino pela parte do mar, destaca-se na Fortaleza de Peniche, para além da típica traça em estrela, o Baluarte Redondo - primeira fortificação construída na península de Peniche - a Torre de Vigia, e a capela de Santa Bárbara.Este imóvel viu o seu espaço utilizado de forma diversa de acordo com as necessidades e as vicissitudes históricas de cada época. Praça militar de vital importância estratégica até 1897, abrigo de refugiados Boers provenientes da África do Sul no início do séc. XX, residência de prisioneiros alemães e austríacos durante a Primeira Guerra Mundial, prisão política do Estado Novo entre 1934 e 1974, alojamento provisório de famílias portuguesas chegadas das antigas colónias ultramarinas em 1974, e a partir de 1984 albergue do Museu Municipal, a Fortaleza de Peniche assume especial relevância enquanto importante documento de uma diacronia histórica de índole local e nacional.

A concha de S. Martinho do Porto é o que resta de uma vasta laguna costeira, que há apenas alguns milénios se estendia muito para o interior. Este abrigo natural tem grande tradição náutica, cujo expoente máximo são o porto e estaleiro de Alfeizerão, com papel relevante na saga dos Descobrimentos portugueses. A laguna sofreu assoreamento por subida do nivel médio das águas do mar, tal como toda a costa Oeste está em processo acelerado de abrasão, o que reflecte as alterações climáticas globais. A laguna está ligada à história das comunidades que sucessivamente foram ocupando a região, desde o Neolítico, com destaque para o impacto da Reconquista Cristã. 

A Lagoa de Óbidos  localiza-se nos concelhos de Caldas da Rainha e Óbidos.Situa-se numa depressão pouco profunda, de contornos irregulares e muito instáveis junto ao mar, cuja barreira natural de separação do ambiente marinho é formada por um cordão de dunas litorais.
A sua ligação ao mar é feita através de um canal de largura e posicionamento variável, localmente designado por "aberta". Por vezes, este local de transição fecha, sendo necessário recorrer a intervenções com o objectivo de manter a barra aberta. É um sistema lagunar de enorme importância ecológica.
A Lagoa de Óbidos é o sistema lagunar costeiro mais extenso da costa Portuguesa. Possui uma área total aproximada de 6.9 km2 e uma profundidade média de dois metros, com cotas que vão desde o meio metro aos cinco metros.
Tômbolo de Peniche é um istmo que se formou devido à acumulação de sedimentos arenosos transportados pelas correntes marítimas que  uniram a pequena ilha ao continente.

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Tornado Em Oklahoma City


O tornado que matou 24 pessoas, feriu cerca de 240 e deixou um rasto de destruição nos arredores de Oklahoma City, Estados Unidos, foi um EF-5, nível de maior destruição na escala que classifica a intensidade da destruição destes fenómenos. 

 A classificação da força dos tornados, de EF-0 a EF-5, é definida pela escala Fujita Melhorada, a partir dos estragos causados. Inserem-se no grau mais elevado aqueles em que são destruídas e arrastadas construções com estruturas fortes ou lançados projécteis do tamanho de carros a mais de 100 metros. O tornado de Oklahoma que arrasou casas, duas escolas e um hospital foi inicialmente classificado como EF-4, o que significaria uma velocidade de ventos entre os 260 e os 320 quilómetros por hora.

 Os Estados Unidos são, segundo a NOAA, o país do mundo mais afectado por tornados – em média 1200 por ano – e Oklahoma City é a cidade onde se registaram mais tornados no país. Mas “apenas 2% atingem este nível”, explicou Andrew Barrett, meteorologista da Universidade de Reading, Reino Unido, citado pela AFP. O tornado, foi o número 150 naquela área metropolitana, segundo uma lista da NOAA com eventos desde 1893. Nos tornados anteriores, somados, morreram no total 153 pessoas. 

 Oklahoma City detém o recorde do tornado com a maior rajada de vento. Foi em 1999, numa tempestade que também varreu a localidade de Moore, a mais afectada nesta segunda-feira. Naquele episódio, os ventos chegaram a 486 quilómetros por hora – “os mais fortes jamais encontrados à superfície da Terra”, segundo uma lista de perguntas frequentes do Centro de Previsão de Tempestades da NOAA.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

REVOLTA NO MUNDO ÁRABE

Manifestação no Cairo em 30/1/2011

domingo, 21 de novembro de 2010

NATO abre nova era nas relações com a Rússia

"A NATO tinha uma "verdadeira parceria" para oferecer à Rússia. Estendeu-lhe a mão e Dimitri Medvedev veio a Lisboa apertá-la. O futuro dirá com que firmeza. Mas se houve, na grande coreografia que a Aliança Atlântica organizou em Lisboa nos últimos dois dias, um acontecimento que pode ter impacte na segurança mundial e europeia, ele foi o reset das relações entre a NATO e a Rússia. Só possível graças ao reset anunciado pelo Presidente americano há um ano, traduziu-se ontem naquilo que o secretário-geral da NATO, Anders Fogh Rasmussem, designou por "projectos concretos de cooperação".

A Rússia comprometeu-se a aumentar o apoio à NATO no Afeganistão e aceitou a oferta de cooperação no novo sistema de defesa antimíssil aprovado na cimeira da Aliança. "Transformámos uma fonte de tensão [entre a NATO e a Rússia] numa fonte de cooperação", disse Barack Obama no final da cimeira NATO-Rússia. "A Rússia sabe, para lá de qualquer dúvida, que este sistema não pode ser usado contra ela", disse Rasmussen. "Pela primeira vez na história, a NATO e a Rússia vão cooperar no domínio da defesa."

Dmitri Medvedev responde no mesmo tom. "Constatámos que o período de relações frias terminou. Olhamos para o futuro com optimismo e tentamos fomentar as relações entre a Rússia e a NATO em todos os campos." Mas deixou alguns avisos, que ainda vai ser preciso clarificar. A Rússia não quer que o novo sistema altere "o equilíbrio existente ao nível dos arsenais nucleares". Quer que a sua cooperação no sistema inclua "intercâmbio de informação e responsabilidade pela solução de alguns problemas". Moscovo não quer nem pode ser "uma mera figura decorativa no sistema de defesa antimíssil europeu".

Medvedev foi último Presidente a chegar a Lisboa, mantendo algum suspense sobre o grau de vontade de cooperação que traria consigo. Veio participar no primeiro Conselho NATO-Rússia desde a invasão da Geórgia. "Todos os sinais que deu durante os trabalhos foram positivos", disse ao PÚBLICO uma fonte da Aliança.

A NATO tinha feito o seu trabalho de casa: retirou da nova doutrina que aprovou em Lisboa qualquer resquício dos tempos da Guerra Fria e ofereceu à Rússia uma partilha na segurança europeia. A Rússia sabe que Washington e os aliados precisam dela para o Afeganistão e para o Irão. Quer em troca que a NATO deixe de insistir no seu alargamento em direcção aos países que foram antigas repúblicas soviéticas e que Moscovo considera como uma "zona de influência" vital para a sua segurança. A guerra na Geórgia foi desencadeada poucos meses depois de a NATO ter aceite o pedido de adesão de Tbilissi. E Moscovo não descansou enquanto não conseguiu anular os efeitos da "revolução laranja" na Ucrânia. Também gostaria de obter mais garantias de que não haverá um aumento das infra-estruturas militares americanas nos países da Europa de Leste que são hoje membros da Aliança e da União.

"Enorme sucesso"

A NATO negociou o seu novo "conceito" de forma a manter a ambiguidade necessária para afastar este obstáculo do caminho, mas reafirmando o "princípio da porta aberta a todas as democracias europeias". Há um limite para a parceria com Moscovo: não dar à Rússia o direito de veto sobre as decisões da Aliança.

O novo clima de cooperação entre a NATO e a Rússia acaba por ser um jogo de soma positiva também para estes países de Leste. "Eu disse ao presidente Obama que nós apoiamos esta aproximação à Rússia e esperamos que a NATO consiga um dia que a Rússia tenha um comportamento mais civilizado em relação aos seus vizinhos", declarou aqui em Lisboa o Presidente da Geórgia. Obama teve só dois encontros bilaterais: com o afegão Hamid Karzai e com o georgiano Mikheil Saakashvili.

A aproximação à Rússia foi um dos resultados mais saudados pelos aliados como um "enorme sucesso" numa cimeira que foi considerada ela própria uma sucessão de sucessos. " in P

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

NATO prepara-se para um século que já não será ocidental

A propósito do programa leccionado no 12º ano em Geografia C, deixo aqui um texto muito a propósito, do jornal Público, sobre questões a tratar na cimeira da NATO em Portugal.


Aliança adopta um novo conceito estratégico para enfrentar novas ameaças de um mundo multipolar.

A versão que vai chegar à mesa dos líderes, na sexta-feira, já só tem alguns detalhes para acertar. A história do conceito estratégico da NATO que será aprovado na cimeira de Lisboa é a história da contínua adaptação da mais poderosa e bem sucedida aliança militar do mundo às profundas mudanças mundiais que ocorreram a partir do fim da Guerra Fria. Criada para enfrentar a ameaça soviética, privada de "inimigo" desde 1991, a Aliança Atlântica iniciou uma "luta pela sobrevivência" que vencerá mais um marco em Lisboa. Adapta-se a um conjunto de novas ameaças que têm em comum o facto de serem difusas, assimétricas, imprevisíveis e que podem materializar em qualquer ponto do globo. Justifica a sua razão de ser num mundo cada vez mais multipolar, em que o Ocidente já não está em condições de ditar as regras do jogo da segurança mundial e em que a cooperação com outros pólos de poder passa a ser a regra.

O exercício de revisão do conceito estratégico foi lançado em Abril de 2009, na cimeira de Estrasburgo/Kehl, que celebrou o 60.º aniversário da Aliança. Passou por um grupo de trabalho presidido pela antiga secretária de Estado americana Madeleine Albright. Terminou nas mãos do secretário-geral da NATO, Anders Fogh Rasmussen, que transformou o "relatório Albright" na proposta de um novo conceito que chega a Lisboa já na sua terceira versão. "É já um documento que reflecte de forma equilibrada o exercício de consensualização entre os aliados", disse ao PÚBLICO uma fonte diplomática em Lisboa.

O consenso entre as duas margens do Atlântico quanto à NATO do século XXI, relativamente fácil de alcançar, deve-se, em boa medida, ao "efeito Obama". "A convergência entre os EUA e a Europa nas questões de segurança internacional é hoje muito grande", diz Álvaro de Vasconcelos, director do Instituto de Estudos de Segurança da UE. "Há um Presidente americano multilateralista cuja visão se aproxima muito mais da visão europeia e que não desconfia da integração europeia e do papel da Europa".

A política de Obama de reaproximação à Rússia e a nova concepção do sistema de defesa antimíssil contribuíram de forma decisiva para resolver os dois principais pontos de fricção entre Europa e EUA. O que é mais interessante, sublinha o director do ISS de Paris, é que esses dois factores tiveram também um efeito de apaziguamento nas divisões entre os próprios europeus, eliminando um "campo de batalha" quase inevitável entre os aliados que ainda viam na NATO a sua defesa contra a Rússia e os que vêem a cooperação com a Rússia como fundamental. "Os aliados do Leste têm hoje uma nova atitude, muito mais convergente com os EUA e com os países centrais da União. A questão que mais dividia deixou de o ser, graças à nova política de Obama."

O conceito "avança de forma irreversível para tornar claro que a Aliança já não tem hoje qualquer legado da Guerra Fria e que vê a Rússia como um parceiro e não como adversário", diz ao PÚBLICO uma fonte diplomática.

O lugar do Artigo 5º

Com este problema resolvido, foi mais fácil negociar um equilíbrio entre a percepção das novas ameaças (e os meios para enfrentá-las), e a preservação da defesa colectiva, expressa no Artigo 5.º do Tratado de Washington. "A credibilidade dada pelo Art.º 5.º continua a ser essencial, nomeadamente para alguns dos aliados de Leste ou para a Turquia. Alguns desses países temiam que a tónica no papel de gestão de crises fragilizasse essa percepção", diz Vasconcelos.

"Tratava-se de resolver uma série de debates que agitaram a Aliança nos últimos anos", diz Camille Grand, directora da Fundação para a Investigação Estratégica de Paris. "Entre defesa colectiva e acção, entre ameaças tradicionais e novas ameaças, entre uma aliança global e uma aliança de vocação regional".

Se é verdade que as novas ameaças podem vir de qualquer ponto do mundo, o próprio mundo, com a emergência de novos pólos de poder, colocou limites à ambição global da Aliança. A ideia de uma "NATO Global" ou do um "polícia do mundo", que correspondeu à face unipolar da América, morreu por si. Hoje, o maior desafio da América é conseguir liderar a profunda reconfiguração do poder mundial através do engagement. Para a NATO, isso quer dizer parcerias, diálogo e cooperação com outras organizações e parceiros internacionais. "A NATO dificilmente poderá agir sozinha", avisa o relatório Albright. Finalmente, foi possível superar (falta apenas os últimos acertos de linguagem) o dilema entre o objectivo de um mundo sem armas nucleares, anunciado pelo Presidente americano no seu célebre discurso de Praga em Abril de 2009 e a manutenção da dissuasão nuclear como a principal garantia de segurança dos aliados. "O conceito reafirma que, enquanto houver armas nucleares no mundo, a NATO continuará a ser uma aliança nuclear para dissuadir qualquer ataque ou forma de coerção sobre os seus membros", diz a mesma fonte diplomática. "Preferiu manter o statu quo", diz Grand.

A NATO não parará de evoluir. Tal como, em 1999, o seu conceito estratégico foi marcado pela guerra nos Balcãs, hoje "ele ainda é muito marcado pela guerra do Afeganistão; é impossível a uma organização como a NATO escapar à guerra que está a travar", diz Vasconcelos. "Este conceito é apenas um passo que ainda não retira todas as consequências da nova realidade mundial". A revista britânica Economist interroga-se: "Conseguirá o novo conceito acompanhar a forma como o mundo está a mudar?"



terça-feira, 28 de setembro de 2010

Equinócio de Outono


O Equinócio é o instante em que o Sol, no seu movimento anual aparente, cruza o equador celeste. A palavra de origem latina significa "noite igual ao dia", pois nestas datas dia e noite têm igual duração.
Ocorreu no dia 23 de Setembro às 3:09 h. Nesse momento o Sol está ao zénite sobre o equador, ou seja, os seus raios estão perpendiculares ao equador.